Crea-PA participa da apresentação do Projeto de derrocamento do Pedral do Lourenço, em Marabá

Acessos: 882

O presidente do Crea-PA, Eng. Civil Renato Milhomem, junto com o Secretário Estadual de Transporte, Antônio Pádua, participaram da reunião solicitada pela Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, Habitação e Urbanismo, realizada no auditório do Ministério Público do Estado do Pará, em Marabá.

Screenshot 2

                                                                                                Imagens: Correio de Carajás

A reunião foi para apresentar o projeto das obras de drenagem, retirada de rochas submersas e os impactos ambientais para o Rio Tocantins, no trecho situado no Pedral do Lourenço.

- É uma forma de nivelar as informações e o público alvo, para que a gente entenda o Projeto e principalmente para prefeitos de municípios que serão contemplados pela obra - declarou o secretário estadual, em entrevista ao Correio de Carajás.

Segundo o projeto apresentado pela DTA Engenharia, será necessário o aprofundamento do canal de navegação em trechos localizados nas proximidades do reservatório de Tucuruí, além da transposição do Pedral do Lourenço, próximo à vila Santa Terezinha do Tauari, em Itupiranga, realizando uma boa navegabilidade até o porto de Vila do Conde, em Barcarena.

Screenshot 1

                                                                                                 Imagens: Correio de Carajás

O presidente do Crea-PA, Renato Milhomem, acompanhou a reunião de apresentação do projeto e afirmou que irá observar o exercício profissional, para averiguar se há profissionais capacitados e habilitados na fase de projeto e de execução.

- Temos acompanhado desde o projeto de alojamento e depósito. Até agora tem tramitado na regularidade, sem problemas que possam provocar o Crea a qualquer ação, ou seja, a empresa está agindo de acordo com as resoluções - disse.

Além de defender que esta é uma obra importante para a região, o presidente afirmou que o resultado será grande diante de quaisquer outros fatores.

- Os impactos sociais e ambientais são mínimos. Demos uma olhada nos projetos e os resultados positivos são grandiosos diante de qualquer fator negativo. Uma obra extremamente positiva para a região - disse.

A apresentação do projeto foi completamente técnica, para demonstrar que os impactos não são considerados grandes. Atualmente, o Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) adquirido pela empresa responsável da obra, apresenta de forma simples as informações técnicas do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e está em análise pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Fonte: Jornal Correio de Carajás (Luciana Marschall)